Como viver a consagração a Maria ?

Saiba como viver a consagração total, ou escravidão de amor, a Jesus Cristo e a Virgem Maria.

Como viver a consagração total a Virgem Maria?Como deve viver quem fez a consagração total a Jesus Cristo e a Santíssima Virgem Maria? Como deve ser o dia-a-dia do consagrado a Nossa Senhora? Depois de nos consagrar a Virgem Maria, mesmo depois da preparação que fazemos antes, podemos ficar em dúvida de como viver a nossa consagração. Na prática, o que muda depois que nos consagramos é que confiamos tudo a Jesus Cristo pelas mãos maternas da Virgem Maria. Entregamos a Mãe da Igreja todos os nossos bens materiais e também todos os nossos bens espirituais. Além da entrega desses bens materiais e espirituais, a consagração a Virgem Maria exige de nós práticas exteriores, que são as orações e boas obras, e práticas interiores, que são as nossas atitudes interiores. Antes de falarmos dessas práticas interiores e exteriores, trataremos da consagração como perfeita renovação das promessas do Santo Batismo (cf. TVD 120; 126). 

São Luís Maria Grignion de Montfort, no “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, nos ensina que a consagração total a Virgem Maria é uma “perfeita renovação dos votos e promessas do Santo Batismo” (TVD 120). Isso significa que quando nos consagramos a Virgem Maria nos comprometemos a cumprir fielmente as promessas batismais. Renunciamos para sempre a Satanás, às suas pompas e suas obras, e nos damos inteiramente a Jesus Cristo, pelas mãos da Virgem Maria, para O seguir, levando a minha cruz, todos os dias das nossas vidas. Assumimos Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador e prometemos nos esforçar para cumprir os Dez Mandamentos da Lei de Deus e os Cinco Mandamentos da Igreja.

Os Dez Mandamentos da Lei de Deus são:

1º Amarás a Deus sobre todas as coisas.

2º Não tomarás o Nome de Deus em vão.

3º Santificarás as festas.

4º Honrarás a teu pai e a tua mãe.

5º Não matarás.

6º Não cometerás atos impuros.

7º Não roubarás.

8º Não dirás falso testemunho nem mentirás.

9º Não consentirás pensamentos nem desejos impuros.

10º Não cobiçarás os bens alheios.

Os Cinco Mandamentos da Igreja são:

1º Participar da missa inteira nos domingos e outras festas de guarda e abster-se de ocupações de trabalho.

2º Confessar-se ao menos uma vez por ano.

3º Receber o sacramento da Eucaristia ao menos pela Páscoa da ressurreição.

4º Jejuar e abster-se de carne, conforme manda a Santa Mãe Igreja.

5º Ajudar a Igreja em suas necessidades.

Como consagrados a Virgem Maria, devemos cumprir as promessas do nosso Batismo e entregar tudo a Jesus pelas mãos de Maria, assumindo as práticas exteriores e interiores da consagração. Dentre as práticas exteriores ensinadas por São Luís Maria no Tratado (TVD 115-117; 226-256; 266-273), destacamos algumas que julgamos as mais importantes. A primeira delas é o Santo Rosário ou Terço de Nossa Senhora, que é a principal arma espiritual da consagração. As cadeiazinhas ou correntes, que os consagrados trazem no pescoço, ou nas mãos, ou nos pés, ou na cintura, também são muito recomendadas pelo Santo de Montfort. A Coroinha de Nossa Senhora também é muito querida e recomendada por São Luís. Quanto às práticas interiores (cf. TVD 257-265), estas são “muito santificantes para aqueles que o Espírito Santo chama a uma alta perfeição. Consistem, numa palavra, em fazer todas as ações por Maria, com Maria, em Maria e para Maria, a fim de mais perfeitamente as fazer por Jesus Cristo, com Jesus Cristo, em Jesus e para Jesus” (TVD 257).

Assim, para viver bem a nossa consagração a Jesus Cristo e a Virgem Maria, em primeiro lugar precisamos ser fiéis as nossas promessas do Batismo, ou seja, precisamos ser bons católicos, cumprindo os mandamentos de Deus e da Igreja. Além disso, precisamos de práticas exteriores, das quais destacamos o Terço, ou Rosário, e as cadeiazinhas ou correntes. Por fim, as práticas interiores dos consagrados a Nossa Senhora se resumem em fazer todas as nossas ações por Mariacom Mariaem Maria e para Maria, para as fazer de modo mais perfeito por Jesus, com Jesus, em Jesus e para Jesus (cf. TVD 257).