Papa: O amor é o motor que conduz a nossa esperança

– AP

12/04/2017 12:05

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco presidiu na manhã de hoje, quarta-feira, dia 12 de Abril de 2017, às 10 horas de Roma, a habitual audiência geral na Praça de S. Pedro, hoje mais uma vez repleta de fiéis e peregrinos provenientes de diversos cantos da Itália e do mundo inteiro para assistir a última catequese do Papa antes da Páscoa. Tema da catequese de hoje: a esperança do mundo e a esperança da Cruz. Recordamos aos nossos ouvintes que o tema da catequese deste ano é precisamente “ a esperança cristã.

A reflexão da catequese do Papa de hoje, foi apoiada no texto do Evangelho de S.João (Jo 12,24-25): “ Em verdade vos digo, se o grão de trigo, caído na terra, não morrer, fica só; se morrer, produz muito fruto. Quem ama a sua vida, perdê-la-á; mas quem odeia a sua vida neste mundo, conservá-la-á para a vida eterna”.

Domingo passado fizemos memoria do ingresso de Jesus em Jerusalém, entre as aclamações festivas dos discípulos e da multidão. Aquela gente depositava muita esperança em Jesus: muitos atendiam dele milagres e grandes sinais, manifestações de potência e até a libertação do jugo dos inimigos ocupantes. Quem de entre eles teria imaginado que dalí à poucos momentos Jesus teria sido humilhado, condenado e morto na cruz? As esperanças terrenas daquela gente cairam diante da cruz. Mas nós acreditamos que precisamente no Crucificado renasceu a nossa esperança. É uma esperança diferente da esperança do mundo. De que esperança se trata? Pode ajudar-nos a entender esta esperança quanto disse o próprio Jesus depois de ter entrado em Jerusalém: “se o grão de trigo, caído na terra, não morrer, fica só; se morrer, produz muito fruto”.

De facto, Jesus, observou o Papa, trouxe ao mundo uma esperança nova, comportando-Se como a semente: fez-Se pequeno como um grão de trigo caído na terra, que se desintegra e morre para dar fruto. No ponto extremo do seu abaixamento, que é também o ponto mais alto do amor, germinou a esperança. E germinou precisamente pela força do amor, pois o amor, que é a vida de Deus, renovou tudo o que atingiu.

Para o Santo Padre, Jesus transformou deste modo o nosso pecado em perdão, a nossa morte em ressurreição, o nosso medo em confiança. Eis porque na cruz, nasceu e renasce sempre a nossa esperança; eis porque com Jesus cada nossa escuridão pode ser transformada em luz, cada derrota em vitória, cada desilusão em esperança.

 Quando então escolhemos a esperança de Jesus, disse ainda Francisco, pouco a pouco descobrimos que a forma vitoriosa de viver é a da semente que morre. Não há outro caminho para vencer o mal e dar esperança ao mundo.

Ora, observa o Papa, é verdade que este amor passa pela cruz, pelo sacrifício, como sucedeu com Jesus. A cruz porém, é passagem obrigatória, mas não é o destino: o destino é a glória, como nos mostra a Páscoa. E a este propósito, Francisco convida a meditar na belíssima imagem da última Ceia descrita pelo evangelista joão quando sobretudo diz o seguinte: “Quando a mulher está para dar à luz, sofre porque veio a sua hora. Mas, depois que deu à luz a criança, já não se lembra da aflição, por causa da alegría que sente de haver nascido um homem no mundo”(Jo 16, 21). Eis que então, dar à vida, não empossessar-se dela, dá alegría; o amor dá à luz a vida e acaba assim por dar sentido também ao sofrimento. O amor é o motor que faz andar avante a nossa esperança, sublinhou Francisco.

 Caros irmãos e irmãs, nestes dias da Semana Santa, deixemo-nos envolver pelo mistério de Jesus que, morrendo como o grão de trigo, nos dá vida. É Ele a semente da nossa esperança. Contemplemos Jesus crucificado, fonte de esperança. Pouco a pouco compreenderemos que esperar com Jesus é aprender a ver, já desde agora, a planta na semente, a Páscoa na cruz, a vida na morte. Far-nos-á bem parar diante do Crucificado, fixá-Lo e dizer-Lhe: «Convosco nada está perdido. Convosco sempre posso esperar. Vós sois a minha esperança».

Como de costume, também hoje não faltou a habitual saudação do Papa Francisco aos milhares de fiéis e peregrinos de língua oficial portugueses presentes na Praça de S. Pedro:  De coração saúdo todos os peregrinos de língua portuguesa, com menção particular dos fiéis de Braga, os funcionários da Câmara Municipal de Gondomar e os membros da Universidade Sénior de Lousada. Tomai como amiga e modelo de vida a Virgem Maria, que permaneceu ao pé da cruz de Jesus, amando, também Ela, até ao fim. Quem ama passa da morte à vida: é o amor que faz a Páscoa. A todos vós e aos vossos entes queridos, desejo uma serena e santa Páscoa.

Anúncios