É tempo de escrevermos nossa história de fé!

Será que nossa confiança em Deus nos permite escrever uma história de fé, assim como fez tantos homens e mulheres na Bíblia?

A Palavra meditada está em Hebreus 11,3ss:

Pela fé compreendemos que o universo foi organizado pela palavra de Deus, de sorte que as coisas visíveis provêm daquilo que não se vê. Pela fé, Abel ofereceu a Deus um sacrifício melhor que o de Caim; graças a ela, recebeu o testemunho de ser justo, pois Deus atestou o valor de suas oferendas; e graças a ela, mesmo depois de morto, Abel ainda fala! Pela fé, Henoc foi levado, sem passar pela morte; não mais foi encontrado, porque Deus o levou. Antes de ser levado, porém, recebeu o testemunho de que foi agradável a Deus. Ora, sem a fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima deve crer que ele existe e recompensa os que o procuram. Pela fé, Noé, avisado divinamente daquilo que ainda não se via, levou a sério o oráculo e construiu uma arca para salvar os de sua casa. Pela fé, ele condenou o mundo, tornando-se herdeiro da justiça que se obtém pela fé.  Pela fé, ao ser chamado, Abraão obedeceu à ordem de partir para uma terra que devia receber como herança, e partiu, sem saber para onde iria. Pela fé, ele viveu como migrante na terra prometida, morando em tendas, com Isaac e Jacó, os co- herdeiros da mesma promessa. Pois esperava a cidade de sólidos alicerces que tem Deus mesmo por arquiteto e construtor. Pela fé, embora Sara fosse estéril e ele mesmo já tivesse passado da idade, Abraão tornou-se capaz de ter descendência, porque considerou fidedigno o autor da promessa. E assim, de um só homem, já marcado pela morte, nasceu a multidão “comparável às estrelas do céu e inumerável como os grãos de areia na praia do mar”.  Todos estes morreram firmes na fé. Não chegaram a desfrutar a realização da promessa, mas puderam vê-la e saudá-la de longe e se declararam estrangeiros e peregrinos na terra que habitavam. Os que assim falam demonstram estar buscando uma pátria, e se estivessem referindo-se à terra que deixaram, teriam oportunidade de voltar para lá. Mas agora, eles desejam uma pátria melhor, isto é, a pátria celeste. Por isto, Deus não se envergonha deles, ao ser chamado o seu Deus, pois até preparou uma cidade para eles. Pela fé, Abraão, posto à prova, ofereceu Isaac em sacrifício; ele, o depositário da promessa, sacrificava o seu filho único, do qual havia sido dito: “É em Isaac que terá começo a tua descendência”. Ele estava convencido de que Deus tem poder até de ressuscitar os mortos, e assim recuperou o filho – o que era uma prefiguração. Foi pela fé, também, que Isaac abençoou Jacó e Esaú, a respeito das coisas futuras.  Pela fé, Jacó, prestes a morrer, abençoou cada um dos filhos de José e, apoiando-se na extremidade do cajado, prostrou-se em adoração. Pela fé, José relembrou, já no fim da vida, o êxodo dos filhos de Israel e deu ordens acerca de seus restos mortais. Pela fé, Moisés, recém-nascido, foi escondido por seus pais durante três meses, porque viram a beleza do menino e não tiveram medo do decreto do rei. Pela fé, Moisés, já adulto, recusou ser chamado filho da filha de Faraó; preferiu ser maltratado com o povo de Deus a tirar proveito passageiro do pecado. Isto, porque considerava a humilhação do Cristo uma riqueza maior do que os tesouros do Egito, pois ele tinha os olhos fixos na recompensa. Pela fé, Moisés deixou o Egito, sem temer a ira do rei; permaneceu firme, como se visse o invisível. Pela fé, ele celebrou a Páscoa e fez a aspersão com sangue, para que o exterminador dos primogênitos do Egito não matasse os de Israel. Pela fé, atravessaram o mar Vermelho como se fosse terra seca, enquanto os egípcios, tentando fazer o mesmo, se afogaram. Pela fé, ruíram os muros de Jericó, após as voltas ao seu redor durante sete dias. Pela fé, a prostituta Raab não pereceu com os incrédulos, porque ela acolheu bem os israelitas que vieram reconhecer a região. Que mais devo dizer? Não teria tempo de falar ainda sobre Gedeão, Barac, Sansão, Jefté, Davi, Samuel e os profetas. Estes, pela fé, conquistaram reinos, exerceram a justiça, foram contemplados com promessas, amordaçaram a boca dos leões, extinguiram a violência do fogo, escaparam ao fio da espada, recobraram saúde na doença, mostraram-se valentes na guerra, repeliram os exércitos estrangeiros. Mulheres reencontraram os seus mortos pela ressurreição. Outros foram torturados ou recusaram ser resgatados, para chegar a uma ressurreição melhor. Outros ainda sofreram a provação dos escárnios, experimentaram o açoite, as cadeias, as prisões, foram apedrejados, serrados ou passados ao fio da espada, levaram vida errante, vestidos com pele de carneiro ou pêlos de cabra, oprimidos, atribulados, sofrendo privações. Eles, dos quais o mundo não era digno, erravam por desertos e montanhas, pelas grutas e as cavernas da terra. No entanto, todos eles, se bem que pela fé tenham recebido um bom testemunho, não alcançaram a realização da promessa.  É que Deus estava prevendo algo melhor para nós: não queria que eles chegassem, sem nós, à plena realização.

É tempo de escrever nossa história de fé!Foto: Arquivo/cancaonova.com

Hoje, queremos tudo de imediato. No entanto, em nossa vida, quantas respostas temos esperado de Deus! Não havia previsão de chuva quando Noé começou a construção da arca; as pessoas caçoaram dele, porque aos olhos humanos parecia loucura construir uma arca em época de seca. Porém, foi preciso coragem e fé em Deus para receber o milagre.

Qual é a nossa parte no milagre?

Abraão ouviu a voz de Deus e partiu para uma terra desconhecida. Quantos exemplos de fé na Sagrada Escritura! E onde está a nossa fé? Pare de chorar! Enxugue suas lágrimas, reaja e enfrente este dia. Talvez você só tenha dor e sofrimento para oferecer ao Senhor, mas ofereça o que você tem e, principalmente, tenha fé.

Esses homens deram passos firmes em sua fé. Muitos sofreram e deram a vida sem conhecer Jesus, mas acreditaram que viria o Salvador. Há dias em que acordamos com aquele “frio na boca do estômago”, pensado em como agir e o que fazer. Nesses momentos, é preciso confiar em Deus.

A Canção Nova é um milagre aos nossos olhos

Ao olharmos para a Canção Nova e para tudo o que ela se tornou, percebemos que isso foi possível graças a Deus e à fé do fundador da comunidade, monsenhor Jonas Abib. A história da Canção Nova é uma história de fé! O que era impossível, pela fé foi alcançado.

Escreva sua história de fé!

A história de fé deve continuar a ser escrita por cada um de nós. Diante do atual momento que passamos, somente a fé nos fará prosseguir. Por ela é que não devemos desanimar, independente de tudo o que passamos.

Escreva sua história! Deixo uma tarefa para cada um de nós: pegue um caderno e comece hoje a escrever sua história de fé. Anote tudo: foi pela fé que perdoei, por ela recomecei, por ela aprendi a amar. A passagem de Hebreus 11 encerra no versículo 40, e nós somos convidados a escrever os próximos. Tenha fé!

Diácono Nelsinho Corrêa
Missionário da Comunidade Canção Nova

Anúncios