Qual a diferença entre opressão diabólica e possessão diabólica?

Entenda o que é opressão e possessão diabólica

A grande verdade é que todos nós vivemos inseridos numa realidade espiritual, a qual comporta também a existência de um ser maligno, cujo objetivo é matar, roubar e destruir (cf. Jo 10,10). Os próprios Evangelhos nos mostram, claramente, a ação desse ser que denominamos como diabo, demônio ou satanás. A Palavra de Deus nos confirma também que Jesus se “manifestou para destruir as obras do diabo” (IJo 3,8).

-Qual-a-diferença-entre-opressão-diabólica-e-possessão-diabólica?-Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Combate espiritual

Podemos afirmar, assim, que, de certa forma, o diabo e seus demônios podem interferir diretamente sobre nós, os filhos de Deus, pois também é a própria Palavra de Deus que nos revela: uma vez que o “grande dragão” (cf. Ap 12,3), a antiga serpente, que é chamado diabo e satanás (cf. Ap 12,9) foi vencido no Céu, por Miguel e seus anjos, este mesmo dragão foi expulso do Céu e começou a combater todos aqueles que observam os mandamentos de Deus e guardam o testemunho de Jesus (cf. Ap 12,17).

Sabemos, por essa razão, que cada um de nós está travando, nesta terra, esse combate; e, dentro desse combate espiritual, existem algumas realidades onde o demônio pode e quer interferir diretamente sobre nós de forma mais direta, o que, por vezes, traz certas confusões de entendimento ao povo de Deus, daquilo que realmente está acontecendo. Uma das questões que sempre levantam é: “Qual é a diferença entre opressão diabólica e possessão diabólica?

Uma vez entendido que é possível uma ação direta do maligno em meio a nós, vamos à resposta.

Opressão Diabólica

Posso afirmar que essa expressão “opressão diabólica” é um termo que, em geral, é utilizado de maneira mais genérica, não trazendo em si uma definição específica de uma ação particular do demônio. Assim como descrevi, com maiores detalhes, no meu livro ‘Livres de todo Mal – Desmascarando o Inimigo’, esse termo não é comumente utilizado dentro daquilo que classificamos como ações extraordinárias do demônio (infestação, obsessão, vexação e possessão), nem mesmo o que classificamos como ação ordinária do demônio, que é a tentação. Por isso, o termo é tido como genérico, no sentido de que ele nos aponta uma certa ação do mal, que pode estar influenciando diversas realidades da nossa vida de forma distinta.

A própria definição da palavra “opressão”, no dicionário, já nos indica um pouco mais das particularidades que podemos classificar como “opressão diabólica”:

– Estado, condição de quem ou daquilo que se encontra oprimido;

– Sensação desagradável de falta de ar, sufocamento;

– Sujeição imposta pela força ou autoridade, jugo;

– Diminuição acentuada do vigor, da energia, abatimento.

No Latim, a palavra significa sujeição, violência e força.

Entendemos, então, que podemos usar essa expressão quando estivermos, de alguma forma, sendo oprimidos pelo demônio, por uma forte tentação, por desejos ou sentimentos ruins que provêm de uma força maligna. Particularmente, gosto de utilizar esse termo em atendimentos de oração, para tratar de qualquer tipo de ação do demônio, que não indique uma de suas ações extraordinárias.

Possessão Diabólica

É a realidade na qual o demônio, ao possuir uma pessoa, começa a ter o domínio absoluto sobre o seu corpo, o domínio dos seus movimentos, de sua fala e ações de modo geral.

Esse tipo de ação é chamada de ação extraordinária do demônio, por se tratar de algo muito difícil e raro de acontecer com uma pessoa, mas que não é impossível! Uma pessoa que sofre de tal realidade é, praticamente, isenta de responsabilidade sobre suas ações, durante o período em que o demônio a tem sob o seu poder.

A possessão diabólica comporta diversos sinais que precisam ser bem avaliados e discernidos, para que se possa constatar que se trata de uma real possessão diabólica. O Ritual Romano (Rito do Exorcismo) nos aponta quatro realidades que podem nos ajudar no discernimento, mas que não determinam, de forma definitiva, uma real possessão diabólica.

São esses:

Falar ou compreender línguas desconhecidas, revelação de coisas ocultas ou distantes, força física além do natural e aversão ao Sagrado. Todas essas realidades, somadas a outros tipos de fenômenos que podem acontecer, ajudam-nos a ter um discernimento mais completo da realidade em que a pessoa se encontra.

O Ritual Romano também reforça a necessidade de, em alguns casos, as pessoas recorrerem, juntamente com as Orações de Exorcismo ou de Libertação, à ajuda da “ciência médica e psiquiátrica, que tenham a sensibilidade das realidades espirituais” (Ritual Romano – Prem. 17). Portanto, é evidente que existe uma clara distinção do que chamamos de opressão diabólica e daquilo que é uma possessão diabólica.

Deus abençoe você!

Fonte: formacao.cancaonova.com

Anúncios