Não existe amor verdadeiro sem a presença de Deus

Só é possível falar em experiência de amor a partir de uma experiência de Deus

A absoluta necessidade da restauração da família exige a restauração do relacionamento com Deus, pois Ele ficou fora da vida da maioria de nossas famílias. O problema maior é que sem Deus, em pouco tempo, o amor deixa de ser amor. Sem Ele, o que se pensava ser amor transforma-se em fonte de sofrimento, solidão e morte. O amor é impossível sem Deus. No máximo, o que se consegue é manter uma paixão mal resolvida, fraca e instável.

Sem a experiência de Deus, nenhuma pessoa, neste planeta, conseguirá amar verdadeiramente. O amor real é muito diferente do imaginário, sempre poético e cheio de emoções positivas e bonitas. O amor real é feito também de emoções negativas, de coisas feias, incertezas, medos e desafios. O real, muitas vezes, passa pela experiência da morte, do aniquilamento, do esquecer-se de si mesmo; e isso sem Deus é impossível superar.

-Não-existe-amor-verdadeiro-sem-a-presença-de-DeusFoto: Arquivo CN/cancaonova.com

Por isso, é fundamental descobrirmos um caminho para Ele. Aliás, penso que aqui se encontra também a grande possibilidade da restauração de nossas famílias. Somente a partir de uma experiência de Deus é possível falar em experiência de amor. O mundo moderno carece de um modelo de matrimônio e família. Infelizmente, muitos olham para o matrimônio cristão como um conjunto de renúncias, sacrifícios, obrigações, deveres e pecados.

Transcendência

O fato de o matrimônio cristão ser um sacramento dá uma dinâmica que o distingue de todas as outras formas de relacionamento humano, até mesmo no campo religioso. Sendo sacramento, o matrimônio cristão é dinâmico e vivo. Essa vivacidade é o grande caminho para que o mundo encontre o sentido primeiro do amor. Quanto mais próxima de Deus, melhor a família saberá ser um caminho original rumo ao sentido do sagrado, perdido pela sociedade moderna. O mundo perdeu o senso do sagrado, o caminho da transcendência, mas, consciente ou inconscientemente, está buscando essa transcendência.

Deus recorre, muitas vezes, às imagens matrimoniais e familiares para falar de seu amor pela humanidade. Se Deus recorre à imagem do amor humano para se manifestar, é mais do que correto fazermos o mesmo. Olhando para o amor humano, santo e sarado, chegaremos a perceber o divino.

Para que isso aconteça, é preciso perceber como é a presença de Deus na vida de cada pessoa da família. Deus não pode ser um estepe em nossa vida. Precisamos ter um relacionamento pessoal com Ele, e não somente uma oração desesperada ou mágica nas horas de crise e dificuldade. Deus precisa ser Aquele que dá orientação e sentido a nossa vida.

Trecho do livro “Famílias restauradas”

Anúncios