Por que é difícil discernir o que se quer da vida?

Quando falamos sobre vocação é comum escutar aquela frase que diz: “Não há crise de vocações, mas crise de respostas”. E se paramos para pensar, isso é meio óbvio, porque se todos somos criados por Deus, todos temos vocação. O único jeito de faltar vocações é, portanto, se Deus dissesse um basta para a criação. O que essa frase realmente quer dizer é que as pessoas, chamadas as diversas vocações, não estão respondendo bem a esse chamado, que não é outro que o chamado a ser feliz.

reflexão, shutterstock

Foto: Shutterstock

Parece lógico pensar que se Deus nos chama para a felicidade, o único que precisamos fazer é acolher e viver esse chamado. Dessa forma, todos seríamos felizes. Mas se olhamos para o lado, vemos que as coisas não são assim. Vemos pessoas infelizes, sem rumo, apostando a vida por outras coisas que não trazem a realização almejada. E muitas vezes essas pessoas infelizes somos nós mesmos. Se é tão lógico ser feliz respondendo o chamado de Deus, porque é tão difícil assim entregar nossa vida a Ele?

Somos de uma época que vende um ideal de felicidade que é o extremo oposto do ideal de felicidade que nos propõe Jesus em seu Evangelho, em sua Boa Nova. Conseguiram fazer com que esse desejo autêntico de viver uma vida plena se desvirtuasse em uma busca pelo prazer, pelo ter e pelo poder. Isso não é algo novo, as concupiscências estão claramente demarcadas nos Evangelhos, mas em nossa época essa desvirtuação parece tomar enormes proporções. Talvez seja apenas o nosso ponto de vista (Quando olhamos uma coisa muito de perto, ela parece maior do que é), mas não podemos negar que a Felicidade que nos propõe Jesus é radicalmente diferente daquela que o mundo nos propõe.

Que felicidade é essa que Jesus propõe? Poderíamos resumir em uma vida nova. A vida cristã. Mas para que fique ainda mais claro, podemos abrir nossas bíblias no capítulo cinco de São Mateus e ler as bem-aventuranças. Esse é o programa de felicidade de Jesus. E se as lemos com um pouco de atenção, veremos que realmente não compaginam com a felicidade do mundo. Nelas Jesus proclama bem-aventurados os pobres, os mansos, os puros, os que choram, os perseguidos, os que promovem a paz e os que tem fome e sede de justiça. Realmente não é exatamente o que vemos exposto nas propagandas do mundo que nos vendem outra felicidade.

Por isso é tão difícil responder a nossa vocação. Porque optar por Jesus significa necessariamente morrer. Morrer para tudo aquilo que nos faz menos pessoas, que diminui nossa dignidade, que nos faz viver iludidos e perdidos. Mas porque estamos tão apegados a essa vida antiga, morrer nos custa muito e não é exatamente agradável. Por isso ficamos muito tempo com um pé em Jesus e o outro no mundo, fazendo joguinhos do tipo: “Até onde posso ser mundano sem deixar de ser cristão”. As vezes sabemos o que temos que fazer, mas simplesmente não conseguimos fazer ainda. Mas até que não nos lancemos nos braços de Deus com toda confiança, não conseguiremos responder nossa vocação, seja ela qual for. Para que o grão possa dar frutos, ele precisa morrer.

Colunista irmão João assinatura

Anúncios