Como superar as brigas por herança nas famílias

Quando se fala em partilha de herança, a maldita ganância entra em cena

Nada pode ofuscar o brilho da paz que a família é convidada a irradiar no mundo. Contudo, essa afirmação nem sempre é vivida com total intensidade dentro dos lares. Muitas são as situações que roubam a paz dentro das famílias, e uma dessas tantas causas é o rompimento dos laços afetivos entre irmãos. Gerados no mesmo amor paterno, muitos irmãos se encontram separados por situações que poderiam ser resolvidas com um pedido de desculpas ou com o perdão. Não são raras as situações nas quais irmãos estão separados afetivamente por brigas que tiveram origem na divisão de uma herança.

Como superar as brigas por herança nas famílias

Foto ilustrativa: Skynesher by Getty Images

Brigas entre irmãos

Os pais morreram e os bens precisavam ser divididos. Quando se fala em partilha de heranças, a maldita ganância entra em cena; e quando essa vilã se infiltra dentro dos lares, provoca a ruína de relações construídas há décadas.

Por causa de meio metro de terra, há irmãos que não conversam há muitos anos! Por causa daquela casa que precisava ser vendida, para que o valor fosse dividido entre partes iguais, a soberba ocasionou separações e feridas, as quais ainda sagram mesmo após anos.

Infelizmente, encontramos situações nas quais famílias foram destruídas por uma herança que causou a ruína dos laços de sangue. O dinheiro foi mais forte que as décadas de amor e amizade. O meio metro de terra obstruiu os laços de sangue que unia os irmãos daquela família.

Divisão da herança

Em meio a tantas situações de herança em que o dinheiro está envolvido e assume o controle das situações, deparamo-nos com a pobreza de espírito daqueles que vendem seus laços de família por meio metro de terra. O amor sempre será mais valioso que os bens que precisam ser divididos.

Quando irmãos se deixam corromper pela divisão de uma herança, demonstram publicamente que o dinheiro é muito mais forte em suas vidas que o amor de uma família. Quem se vende e deixa-se corromper por uma herança, precisa rever seus princípios e buscar em Deus a misericórdia como princípio de vida.

Hoje, é o tempo de olhar para sua história é saber que o perdão não pode esperar o amanhã para ser concedido. O amor familiar é muito maior que as divisões causadas pelo dinheiro. E nenhuma herança poderá comprar a verdadeira herança dos laços de sangue um dia gerados no ventre de um lar.

Quando a morte chegar, não mais adiantará chorar pelo tempo perdido na briga por causa do meio metro de terra deixado na divisão dos bens. Sete palmos de terra vão selar o arrependimento do perdão não concedido há tempo.

Padre Flávio Sobreiro

Bacharel em Filosofia pela PUCCAMP e Teólogo pela Faculdade Católica de Pouso Alegre (MG), padre Flávio Sobreiro é vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Santa Rita do Sapucaí (MG), e padre da Arquidiocese de Pouso Alegre (MG). É autor do livro “Amor Sem Fronteiras” pela Editora Canção Nova. Para saber mais sobre o sacerdote e acompanhar outras reflexões, acesse: facebook.com/peflaviosobreiro

Ore conosco em intercessão pelas eleições de 2018

alt

“Acima de tudo, recomendo que se façam preces, orações, súplicas, ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão constituídos em autoridade, para que possamos viver uma vida calma e tranquila, com toda piedade e honestidade” (I Tm 2,1-2). Continuar a ler

Angelus: para seguir Cristo é preciso renunciar ao orgulho egoísta

Quem é Jesus? : a alocução do Papa deste domingo repropõe a pergunta presente em todo o Evangelho de São Marcos.

Cidade do Vaticano

Para seguir Jesus, é preciso renunciar às pretensões do próprio orgulho egoístico e tomar a própria cruz: foi o que disse o Papa Francisco no Angelus deste domingo (16/09).

Diante de uma multidão na Praça S. Pedro, o Pontífice inspirou sua reflexão no trecho evangélico de São Marcos, em que Jesus pergunta aos discípulos sobre sua identidade.

Fé míope

Antes de interpelar diretamente os Doze, explicou o Papa, Jesus quer ouvir deles o que as pessoas pensam Dele. Por isso pergunta: “Quem dizem os homens que eu sou?”. Emerge que Jesus é considerado pelo povo um grande profeta. Mas, na realidade, Ele não se interessa pela falação das pessoas.

Ele não aceita nem mesmo que os seus discípulos respondam às suas perguntas com fórmulas pré-concebidas, “porque uma fé que se reduz a fórmulas é uma fé míope”.

Quem sou eu para você?

“O Senhor quer que os seus discípulos de ontem e de hoje instaurem com Ele uma relação pessoal”, afirmou Francisco, que acrescentou:

“Hoje, Jesus dirige esta pergunta tão direta e confidencial a cada um de nós: ‘Quem sou eu para você?’. Cada um de nós é chamado a responder, no próprio coração, deixando-se iluminar pela luz que o Pai nos dá para conhecer o seu Filho Jesus.”

Porém, prosseguiu, Jesus adverte que a sua missão se realiza não na estrada ampla do sucesso, mas no caminho árduo do Servo sofredor. Por isso, pode acontecer de protestar e nos rebelar, porque isso contrasta com as nossas expectativas mundanas.

A profissão de fé em Jesus Cristo não pode parar nas palavras, mas pede que seja autenticada por escolhas e gestos concretos.

“ Jesus nos diz que para segui-Lo, para ser seus discípulos, é preciso renunciar a si mesmo, isto é, às pretensões do próprio orgulho egoístico e tomar a própria cruz. ”

O amor muda tudo

Com frequência na vida, por tantos motivos, erramos o caminho, buscando a felicidade nas coisas ou nas pessoas que tratamos como coisas. Mas a felicidade a encontramos somente quando o amor, aquele verdadeiro, nos encontra, nos surpreende, nos transforma. “O amor muda tudo e pode mudar inclusive a nós!”, disse Francisco.

O Papa então concluiu:

“Que a Virgem Maria, que viveu a sua fé seguindo fielmente o seu Filho Jesus, ajude também nós a caminhar na sua estrada, vivendo generosamente a nossa vida por Ele e pelos irmãos.”