Nossa Senhora Aparecida em minha vida

Testemunho de leitor sobre a presença da Virgem Maria em sua vida: Nossa Senhora nunca me abandonou, mesmo que eu a tenha abandonado.

Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil

Testemunho de leitor sobre a presença da Virgem Maria em sua vida: Nossa Senhora nunca me abandonou, mesmo que eu a tenha abandonado.

Carlos Eduardo Moraes, leitor do blog Todo de Maria, enviou-nos este belíssimo testemunho de vida, no qual ele conta-nos como começou a sua devoção a Nossa Senhora e a importância desta para que ele voltasse e permanecesse na Igreja Católica. Este testemunho torna-se ainda mais significativo se considerarmos que estamos no triênio preparatório para o Jubileu dos 300 anos de Nossa Senhora Aparecida, que começou em 2015 e termina em 2017. Então, com muita fé e devoção, acolhamos este testemunho da presença da Santíssima Virgem na vida deste nosso irmão em Jesus Cristo: “Quando tinha dois anos de idade, engasguei com uma porca de meia polegada e, como morávamos em um sítio longe do hospital, não daria tempo de me socorrer. Meus pais falam que praticamente estava morto, já sem respirar, quando minha mãe, no seu desespero, começou a gritar em ferente a um quadro de Nossa Senhora Aparecida, pedindo para me salvar e milagrosamente a porca pulou para as mãos de meu pai. E tinha mais pessoas que viram o episódio, que se comoveram ao testemunhar tamanho milagre. E, com isso, minha mãe me consagrou a ela. Minha infância foi de muitos terços e dedicação a Nossa Senhora. Mas, com o passar do tempo, minhas misérias foram falando mais alto e acabei me afastando de Deus, de Nossa Senhora e da Igreja.

As consequências do abandono de Deus, da Virgem Maria e da Igreja

O resultado foi prostituição, drogas, mentiras e todo tipo de escravidão. Embora não tenha sido viciado em uma droga mais pesada, como crack1 e cocaína, cheguei fazer uso deles e não sei como não viciei. Na verdade, sei sim. Foi a poderosa intercessão de Nossa Senhora, que nunca me abandonou, mesmo que eu a tenha abandonado. Mas, em compensação, me tornei um escravo da maconha, uma droga considerada leve pela mídia, mas que de leve não tem nada, pois tira todo seu poder de decisão, o famoso ‘deixa para amanhã’. Fiquei escravo durante dez anos dessa maldição, que eu mesmo coloquei em minha vida. Nesse dez anos, procurei vários caminhos para tentar largar e na minha miséria me revoltei muito contra a Igreja e Nossa Senhora. Como tenho muitos amigos protestantes – desde a infância fui muito perseguido por eles principalmente com fortíssimas acusações sobre a Igreja Católica e Nossa Senhora – infelizmente deixei suas palavras terem poder em meu coração. Porém, nunca consegui deixar o vício, primeiramente porque não queria deixar o pecado. Entretanto, queria deixar somente o vício, porque enxergava que aquilo me fazia mal, então procurava Deus e achava que Ele tinha obrigação de arrancar o vício, que eu mesmo coloquei em minha vida. Cheguei a procurar padres, mas o fazia na intenção de que eles tivessem a obrigação me dar alguma fórmula mágica, que acabasse com toda aquela escravidão.

A revolta contra a Igreja e o contato com o protestantismo

Foram muitas as decepções e cada uma delas me revoltava ainda mais com a Igreja e Nossa Senhora, principalmente depois de ter buscado o sacramento do matrimônio, pois vivia junto com minha esposa há alguns anos. Logo depois de termos casado na Igreja, o Padre de minha paróquia teve um envolvimento com uma ministra e pediu afastamento e isso me deixou enlouquecido. Por isso, fiquei mais ou menos dois anos sem pisar em uma Igreja Católica. Nesse ano, depois de um fracasso pessoal, tive que voltar a ser funcionário. Fiz um curso de vigilante e consegui um emprego em um shopping. Infelizmente, nos dias de hoje, é um lugar muito difícil para trabalhar, pois temos muito contatos com mulheres e pessoas usuárias de drogas. Graças a misericórdia de Deus, não cai no erro do adultério, porém, mais pelo medo de perder o emprego do que por temor a Deus. No entanto, o uso da maconha aumentou. Então, Deus colocou um menino da igreja Batista em minha vida e, em muitos diálogos, me fez surgir várias dúvidas em minha cabeça. Não concordava com algumas teses de sua religião, principalmente sobre tantas bençãos e milagres, pois para mim o maior milagre que um cristão pode ter é se libertar de sua próprias vontades e não esse monte de baboseiras e facilidades que o cristianismo moderno prega. Como jogo bola com um seminarista, comecei a falar um monte de coisas para ele até que um dia ele me falou que eu tinha que dar uma chance de defesa para a Igreja e não somente condená-la. Então, resolvi dar.

O retorno para a Igreja Católica e a devoção a Nossa Senhora

A partir disso, comecei a estudar o início do cristianismo e percebi que a Igreja Católica está ligada realmente a ele e também que muitas ‘verdades’ protestantes são grandes e absurdas mentiras que se tornaram ‘verdade’. Infelizmente, vi muitos erros também, mas comecei a enxergar que os grandes pais do protestantismo, que tanto eles defendem, também cometeram erros absurdos. Com isso, enxerguei que a Igreja foi feita para pecadores2, e não para santos. Desse modo, comecei a me apaixonar pela Igreja de novo, mas com uma desconfiança enorme de Nossa Senhora, pois tinha medo de amá-la mais que Deus. Até que, no fim de 2015, comecei a estudar um pouco mais sobre a Virgem Maria e, graças a Deus e a intercessão de Nossa Senhora, tomei a coragem de largar o vício. Porém, dessa vez, busquei os sacramentos, a intercessão de Nossa Senhora e de toda Igreja Celeste como forças. E que forca inexplicável são essas que me fazem enxergar a minha pequenez.

A devoção a Nossa Senhora e o processo de conversão

Ainda tenho muitas dúvidas, porém tenho a certeza que Deus e Nossa Senhora jamais nos abandonam. Infelizmente, não tenho muito mais contato com esse amigo da Batista. Pois, como ele está se preparando e estudando para ser pastor e comecei a colocar um monte de dúvidas em seu coração, seu Pastor o proibiu de conversar comigo. Agora estou buscando o sacramento do Crisma e quero começar a meditar a Liturgia das Horas, junto com o Oficio de Nossa Senhora. Sei que o caminho é difícil, pois as perseguições já começaram e muitas vezes ainda cometo o pecado da ira. Mas, sei também qual o caminho a seguir e quero fazê-lo de mãos dadas com Nossa Senhora, pois tenho a certeza que ela nos entrega nos braços de nosso Senhor Jesus Cristo, aquele que é ‘o caminho, a verdade e a vida’”3.

Carlos Eduardo Moraes

Links relacionados:

PADRE PAULO RICARDO. Curso: O mal da pornografia e da masturbação.

TODO DE MARIA. Diácono Nelsinho e a sua devoção a Nossa Senhora.

TODO DE MARIA. O Jubileu dos 300 anos de Aparecida.

Referências:

1 Crack é cocaína solidificada em cristais. O nome inglês crack, que significa estalar, deriva do seu barulho peculiar ao ser fumado.

2 Cf. Mt 9, 13.

3 Jo 14, 6.

Natalino Ueda é brasileiro, católico, formado em Filosofia e Teologia. Na consagração a Virgem Maria, segundo o método de São Luís Maria Grignion de Montfort, explicado no seu livro “Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem”, descobriu o caminho fácil, rápido, perfeito e seguro para chegar a Jesus Cristo. Desde então, ensina e escreve sobre esta devoção, o caminho “a Jesus por Maria”, que é hoje o seu maior apostolado.