O Núcleo do Grupo de Oração

Afinal, para que serve o núcleo?
A função primeira do núcleo é a de coordenar o G. O. A ele cabe a orientação e comando sobre o grupo de oração.

O coordenador da Reunião de Oração deve ser o mesmo do Núcleo?
O coordenador do Grupo de Oração (como um todo) também deve coordenar o núcleo, o que não quer dizer que deva ser sempre o coordenador da reunião de oração.

Quantas pessoas devem participar do núcleo de um G. O?
Como o núcleo faz um serviço de discernimento por excelência e responsável pela caminhada do GO (ver temas para pregações, distribuição de funções e cargos, calendário e cronogramas de eventos, formação de servos etc.), não é recomendável que tenha muitos servos – de três a nove.

Quem deve participar?
Compete, pois, ao coordenador, depois de eleito e confirmado pela comunidade, convidar os servos da sua confiança para compor o núcleo.
Não se pode admitir cargo ou função vitalícia, nem para os membros do núcleo nem para o coordenador, se estas orientações ainda não existem em nível Diocesano (como um regimento interno, por exemplo).

Como deve ser a reunião do núcleo?
Oração, programação da próxima reunião, avaliação da reunião passada, programação de partilhas (fora da reunião do núcleo).
Após a partilha, o coordenador junto como os membros do núcleo distribuem as tarefas entre si e decidem quem vai fazer a pregação, coordenar a próxima reunião de grupo de oração, animar e outras funções.

Que qualidades são desejáveis em um servo que participa de um núcleo?
a) Compromisso com a Igreja;
b) Vida de santidade, oração e testemunho de vida;
c) Amplo discernimento;
d) Maturidade e responsabilidade;
e) Abertura à ação do Espírito Santo, especialmente aos carismas (1 Cor 12, 4-12);
f) Disponibilidade.

Quantas vezes o núcleo se reúne por mês?
Dependendo da dificuldade, realidade e cultura de cada região o número de reuniões pode ser bem variável; contudo, entendemos que o ideal é que as reuniões sejam semanais.

Todas as reuniões do Núcleo são iguais ou existem dias específicos para planejamento, intercessão, partilha e confraternização?
É interessante que haja um planejamento bem ordenado para as atividades do núcleo. O núcleo precisa se dedicar à programação e discernimento das atividades dos servos e eventos, ao mesmo tempo em que busca sua auto formação e crescimento fraterno. Por isso, verifica-se a necessidade de que existam reuniões específicas, ou, pelo menos, mais voltada para atividade.
Por exemplo:
a) Uma reunião de planejamento (temas, pregadores, datas para seminários, tardes de louvor, visitas às casas/hospitais, ação social e etc.)
b) Uma reunião de estudo e formação (palestra, leitura e partilha de um livro ou parte dele, escuta de um CD/DVD de formação, etc.);
c) Uma reunião toda dedicada à partilha e oração, principalmente à de intercessão;
d) Uma confraternização. Nesta devem participar os futuros membros do núcleo, para irem se entrosando, e também os familiares dos membros do núcleo, para que o grupo desenvolva sua dimensão fraterna.

Obs.: Na prática é claro que sempre podem correr variações e furos no planejamento, mas ele deve ter sempre um objetivo, e toda alteração, quando necessária deve acontecer mediante discernimento sério e responsável para não transmitir insegurança aos demais.

Qual o critério para participar do núcleo?
Para se convidar um novato para o núcleo em primeiro lugar deve ser observada a necessidade, por parte do próprio núcleo, se este está pronto para receber novatos (lembrando que o núcleo não pode ser do tipo panelinha).
O perfil ideal do participante do núcleo:
· Constância nas reuniões;
· Frutos de conversão;
· Maturidade humana e espiritual;
· Carisma de liderança;
· Discernimento
· Discrição;
· Compromisso;
· Fidelidade;
· Relativa aceitação comunitária, entre outras características.

As pessoas menos indicadas para pertencerem ao núcleo de serviço são:
· As que têm algum desequilíbrio emocional/psíquico ou carências afetivas;
· As que se relacionam mal e perturbam a paz;
· Pessoas autoritárias, imaturas no uso dos carismas ou que tenham restrições à doutrina da Igreja;
· Pessoas que utilizam o núcleo para tentarem resolver os seus problemas pessoais ou para se auto-afirmarem.

Obs.: Não é o tempo de participação na RCC o critério para escolha do participante do núcleo.

(Formação Para Grupos de Oração – RCC BR)